Alterando

​No meio da Floresta Amazônica, no estado do Pará, Brasil, partindo do município de Alter do Chão, me deparo com uma natureza avassaladora. Aquela que nos mostra sua grandeza, nos silencia. As cores, os cheiros, os sons nos convidam a entrar nesses labirintos verdes e misteriosos que se desdobram pouco a pouco diante de nossos olhos. Uma sensação de mistério e de algo divino é inevitável.
 

O nome da série faz um trocadilho com o nome da cidade de Alter e o verbo   alterar que significa mudar, deixar de ser o que é e tornar-se outra coisa. Meus olhos se enchem de lágrimas ao imaginar que, em alguns anos talvez , não seremos capazes de vislumbrar tanta beleza, já que o avanço da degradação e do desmatamento da Floresta Amazônica está empurrando o ecossistema para um "ponto sem retorno", onde perderia sua capacidade de renovação.
 

As imagens foram feitas durante 10 dias passados ​​em um barco pelo rio Tapajós em agosto de 2019 e visam chamar a atenção para esse assunto importante e urgente. Em vez de usar as imagens comuns vistas de desmatamento e incêndios, decidi retratar a floresta com seus detalhes singelos e únicos.

Ana Leal (n. 1969, Brasil) é uma artista que se utiliza da fotografia em seus trabalhos. Natural de Recife, Nordeste do Brasil vive e trabalha atualmente em São Paulo. Concluiu o mestrado em Belas Artes na Universidade Internacional de Artes e Design de Miami - Art Institutes (2018) e o Curso Profissional em fotografia pela Escola Pan-Americana de Artes de São Paulo (2013).

Leal recebeu o prêmio Latin America Fotografia 7 e o 15º Prêmio Julia Margaret Cameron. Seu trabalho foi exibido nos Estados Unidos e no Brasil.