Paisagens Psicológicas

"Paisagens psicológicas" visa mostrar novas possibilidades para o espectador observar o mundo.

Tudo começa com uma fotografia de uma paisagem. Um lago, um rio, uma montanha. Cenários tão comuns aos nossos olhos. Todas as imagens foram capturadas no Parque Nacional de Yellowstone e no Parque Nacional Grand Teton, ambos nos EUA.
 

A partir de uma única imagem, começo a trabalhar em um processo digital com o objetivo de transformar a fotografia de paisagem usual em uma paisagem psicológica que representa nossos sentimentos e estados de espírito. Cada obra tem seu nome em referência a essas sensações como Blurry Calm, Blurry Joy, Blurry Serene…

A obra também presta homenagem aos exercícios de abstração do artista holandês Theo van Doesberg, o principal líder do movimento De Stijl. O trabalho pressupõe manipulação digital na fotografia contemporânea para apresentá-la como suporte à expressão artística, e não como meio de captura de registros.

Embora sejam simplesmente fotografias, também são como pinturas, pinceladas feitas através da objetiva , cores duvidosas e formas abstratas, vestígios de paisagens, que nos convidam a mergulhar em seus labirintos internos.

Ana Leal (n. 1969, Brasil) é uma artista que se utiliza da fotografia em seus trabalhos. Natural de Recife, Nordeste do Brasil vive e trabalha atualmente em São Paulo. Concluiu o mestrado em Belas Artes na Universidade Internacional de Artes e Design de Miami - Art Institutes (2018) e o Curso Profissional em fotografia pela Escola Pan-Americana de Artes de São Paulo (2013).

Leal recebeu o prêmio Latin America Fotografia 7 e o 15º Prêmio Julia Margaret Cameron. Seu trabalho foi exibido nos Estados Unidos e no Brasil.